Vices na Superliga, meninas do Osasco agora focam no Mundial de Clubes do Japão

Vices na Superliga, meninas do Osasco agora focam no Mundial de Clubes do Japão

2
562
2
quarta-feira, 26 abril 2017
Torneios Internacionais

A equipe de vôlei feminino do Osasco não para. Após perder a emocionante final da Superliga no último domingo para o arquirrival Rio de Janeiro, por 3 sets a 2, as meninas comandadas pelo técnico Luizomar de Moura se preparam nestes dias para um novo grande desafio, o Mundial de Clubes do Japão, disputado entre 8 e 14 de maio na cidade de Kobe.

18057074_1157025734424971_8227623158764457911_n

A ponteira Tandara terminou a Superliga com três prêmios – Foto: Ivan Marconato/Rádio Poliesportiva

Campeão da edição de 2012 (além dos vices de 2010 e 2014), o esquadrão de Tandara, Bia e Camila Brait foi este ano convidado a participar da disputa intercontinental. Soma-se a Rio de Janeiro (atual campeão sul-americano), VakifBank (a equipe turca ganhou no último domingo a Liga dos Campeões da Europa), aos anfitriões Hisamitsu Springs e ao atual campeão asiático NEC Red Rockets (também do Japão), além das equipes convidadas Volero Zürich (Suíça), Dinamo Moskva (Rússia) e Eczacibasi VitrA Istambul (Turquia, atual campeã mundial).

Não bastassem as pedreiras europeias e asiáticas, o desafio particular do Osasco é superar do outro lado do mundo o time do técnico Bernardinho, participante das duas últimas edições do Mundial de Clubes e 12 vezes campeão brasileiro (8 dos títulos cariocas na Superliga Feminina foram conquistados ao superar as paulistas na final).
Mesmo com o time reforçado para a edição do torneio brasileiro 2016/17 pelas sérvias Tijana Malesevic e Ana Bjelica, além das campeãs olímpicas Tandara e Carol Albuquerque, o Osasco amargou mais um vice-campeonato na competição, o terceiro diante do mesmo Rio de Janeiro desde a criação da série A da Superliga, em 2012/2013 (o pentacampeão seguido vencera na partida decisiva o Sesi na edição 2013/2014 e o Praia Clube no torneio 2015/2016).

Maiores rivais brasileiros e participantes assíduos dos últimos mundiais de clubes, Osasco e Rio de Janeiro fizeram, ao todo, 11 finais da maior competição brasileira, e as paulistas triunfaram diante das adversárias apenas em três oportunidades: 2004/2005, 2009/2010 e 2011/12.

Foto: Paulo Arnaldo / Rádio Poliesportiva.

Campeãs em 2012, meninas do Osasco lutam para repetir este ano o feito no Japão – Foto: Paulo Arnaldo / Rádio Poliesportiva.

Apesar dos pesares, o Osasco tem muito o que comemorar nesta edição da Superliga e ir para o Mundial do Japão com novo ânimo. A ponteira Tandara, além de maior pontuadora da competição, com 430 pontos, levou outras duas honrarias para casa no último fim de semana: melhor saque do torneio e “craque da galera”.

Segundo na classificação geral na primeira fase, com 51 pontos, dezessete vitórias e apenas cinco derrotas, o Osasco foi arrasador nos playoffs. Passou nas quartas de final da Superliga pelo Fluminense(RJ), 2 vitórias na série. Nas semifinais, as meninas do time da Grande São Paulo bateram o Praia Clube por 3 jogos a zero. Na mesma etapa, o Rio de Janeiro teve mais trabalho, superando o Camponesa Minas por 3 jogos a 2, após estar perdendo a série por 2 a 1.

*crédito da imagem destacada: Thiago F. Aguirre/Divulgação

Leonardo Guandeline

Leonardo Guandeline

78 posts | 7 comments