Super Bowl LII – Philadelphia Eagles vs New England Patriots

Super Bowl LII – Philadelphia Eagles vs New England Patriots

3
274
0
quarta-feira, 24 janeiro 2018
Futebol Americano
O Super Bowl LII (52) chegou e, como sempre, os fãs de Futebol Americano do mundo inteiro ficam com um sentimento agridoce: é a grande final da temporada; porém, isso significa sete meses sem NFL.
De qualquer modo, o U.S. Bank Stadium em Minneapolis recebe o jogo-espetáculo-show deste ano. A dinastia de Bill Billicheck e Tom Brady comandam o New England Patriots para sua terceira final em quatro anos e tentam o sexto anel da franquia. O Philadelphia Eagles chegam como zebras (eles provaram que gostam disso) para tentar seu primeiro anel da era Superbowl.
Mesmo com uma excelente temporada regular e conquistando o melhor recorde da NFC, os Eagles (13-3) foram considerados os azarões da Conferência Nacional dos playoffs deste ano. A lesão do quarterback Carson Wentz na semana 14 da temporada foi o principal motivo para a queda de confiança dos fãs e analistas da NFL no time de Philly. Wentz fazia uma temporada digna de MVP e seu substituto Nick Foles não era visto com bons olhos para liderar a equipe na parte mais importante da temporada. Mesmo com as dificuldades enfrentadas, o técnico Doug Peterson e principalmente a defesa de Philadelphia deram um jeito de parar o poderoso ataque do Atlanta Falcons no Divisional Round e venceu por 15×10. Na Final da conferência, com bela atuação de Nick Foles, atropelou o Minnesota Vikings e sua bela defesa por 38×7. Além da bela equipe, Minnesota vinha com motivações extras: havia passado de fase no último segundo contra o Saints uma semana antes e caso passasse de fase, jogaria o Super Bowl teoricamente na sua casa, em Minneapolis.
O Patriots (13-3) também enfrentou uma grande defesa na Final de conferência. Eles ganharam da equipe que tinha a melhor defesa da liga: o Jacksonville Jaguars. Mesmo após estar perdendo por 10 pontos com menos de 10 minutos para o fim da partida e sem seu principal alvo nas recepções, o tight-end Rob Gronkowiski, Tom Brady achou um jeito de liderar o Pats para uma vitória incrível por 24×20. Sem mencionar que Brady perdeu treinos no meio da semana de preparação para o jogo, devido a um corte na mão direita – a que ele lança – que lhe deu de presente nove pontos. Por outro lado, ainda assim o New England chegou aos playoffs como grande favorito na conferência americana. Venceu facilmente o Titans no Divisional Round por 35×14 e comprovou favoritismo na AFC.
 O que fazer para levar o Anel?

Philadelphia Eagles – Turnovers

Seria de muita ajuda, é claro, pontuar ao menos uma vez com a defesa. Nos últimos cinco jogos da temporada regular, já fadigado, Tom Brady lançou seis interceptações. Idade pode ter sido um dos fatores, já que o quarterback já tem impressionantes 40 anos. Eu deixaria apenas três homens fazendo a pressão em Brady e recuaria oito para dificultar o jogo aéreo de New England nas situações claras de passe.

Foto: Matt Rourke

Foto: Matt Rourke

No ataque, o jogo corrido tem que funcionar com Jay Ajayi e LeGarrette Blount – desta forma, Nick Foles terá mais tempo e calma para lançar a bola ao fazer play actions e, à medida que for acertando seus passes, sua confiança vai aumentando.

New England Patriots – Fazer o que faz de melhor…

… que é crescer em horas decisivas. Tom Brady, Danny Amendola, Rob Gronkowiski – vão, como sempre, achar algum jeito lançar e receber, além de abrir espaço para o jogo corrido de Dion Lewis e James White e recepções do ótimo e subestimado Brandin Cooks.
Fotos: Sports Illustraded

Fotos: Sports Illustrated

Na defesa, James Harrison pode ser uma arma perigosíssima se bem utilizada em situações óbvias de passe de Philadelphia. Defender contra o jogo corrido não é uma característica de New England, então os Pats tem que tomar muito cuidado: eles não querem Ajayi ou Blount (campeão com o Patriots um ano atrás) tendo 4 jardas por carregada.
Enfim, a reedição do Super Bowl XXXLX (40) promete. O show do intervalo, com Justin Timberlake, o hino cantado por Pink, os fogos, a torcida, o frio, as bebidas e as festas, além do jogo, é claro!
Guardem a data: 04/02/2018 – um dia que vai entrar pra história.
Foto em destaque: USA Today, David Butler
Redator da matéria: Marcelo Lino Jr., de São Paulo. 

Marcelo Henrique

Marcelo Henrique

Estudante de jornalismo. Fã de Futebol Americano, Kobe Bryant e Drake.

4 posts | 0 comments

Comments are closed.