NBB 11 vem aí! Conheça as equipes cariocas

NBB 11 vem aí! Conheça as equipes cariocas

Like
33
0
sexta-feira, 12 outubro 2018
Basquete

 

 

Por: Eric Filardi, de São Paulo, SP.

 

A 11ª edição do NBB vem aí e a equipe da Poliesportiva vai apresentar para você todas as equipes da competição que é organizada pela LNB (Liga Nacional de Basquete), com a chancela da Confederação Brasileira de Basketball, e conta com 14 equipes. Os seis primeiros colocados garantem vaga para os torneios internacionais, como a Liga das Américas (1º a 3º), e a Liga Sul-Americana de Basquete (4º a 6º).

Para esta edição, o Corinthians está de volta após 16 anos de inatividade (de forma independente) e foi campeão da Liga Ouro 2018 (2ª divisão nacional), garantindo vaga na elite do basquete. Assim como o Timão, o São José, vice-campeão, também volta ao NBB depois de três temporadas. Outro grande destaque foi a mudança de sede do time Universo, saindo de Salvador e indo para Brasília, encerrando a parceria com o EC Vitória. As equipes da Liga Sorocabana e do Campo Mourão foram rebaixadas para a Liga Ouro 2018-19 por terem feito as piores campanhas no NBB 10. O Caxias do Sul (5º em 2017-18), também não participará por dificuldades financeiras. A competição começará no dia 13 de outubro de 2018.

 

Regulamento

O campeonato é disputado no formato de pontos corridos, onde os 12 melhores colocados na fase de classificação avançarão à fase de playoffs, que seguirá a partir da disputada das oitavas de final, sempre em uma melhor de cinco jogos. Os confrontos de mata-mata serão disputados com os jogos 2, 3 e 5 sendo realizados na casa da equipe de melhor campanha na fase de pontos corridos. A pior equipe na fase de classificação será rebaixada à Liga Ouro de 2020.

 

 

 

Equipes cariocas NBB 11

 

Botafogo

Por mais que o NBB seja um campeonato “novo”, o basquete do alvinegro da estrela solitária é antigo. Na década de 1930 já ganhavam seus primeiros títulos, conquistando todas as edições do Campeonato Carioca organizadas pela Associação Metropolitana de Basketball, de 1933 a 1937, além do estadual de 1939, organizado pela Liga Carioca de Basketball. Após um período de hiato, voltaram a ganhar notoriedade nos anos 1960, sendo tricampeão estadual em 1966, 1967 e 1968.

E foi nesta década, mais precisamente no ano de 1967, que o Fogão ganhou seu principal título: Taça Brasil. À época, era a principal competição do país, o que seria o NBB hoje em dia, sendo a primeira equipe carioca a conseguir a ser campeã nacional.

O time de General Severiano enfrentou, por mais de vinte anos, uma crise financeira e sem conquistas na modalidade, voltando a celebrar um título apenas em 1991, sendo campeão estadual. Com foco no futebol, o departamento acabou sendo encerrado em 2002, mesmo após a terceira colocação no Campeonato Nacional do ano anterior, regressando ao basquetebol profissional em 2015. Em 2017 o Glorioso faturou o título da Liga Ouro, competição equivalente à segunda divisão do basquete brasileiro, e conquistou o acesso para a NBB 2017-18.

 

No último NBB 10 ficaram na 12ª posição da fase regulamentar, com 35 pontos, sendo a última equipe a se classificar para os playoffs da competição. Só avançou no critério de desempate, por ter melhor saldo que o Joinville (13º). Nas oitavas de final encarou o Caxias do Sul e foram eliminados por 3 x 0. Para a temporada 2018-19, é um elenco novo. Dispensou praticamente o time inteiro, mantendo apenas quatro jogadores: Jamaal Smith, Guga, Fabrício e Guapi, estes dois últimos das categorias de base.

Mas também contratou bem. Trouxe Cauê Borges (Caxias do Sul), melhor ala do último NBB, Coelho (Franca), Arthur e Ansaloni (Pinheiros), Maique (Vitória), Mogi (Flamengo) e, mais recentemente acertou com o experiente Murilo Becker, de 35 anos. Com passagens pela Seleção Brasileira, o pivô disputou a última temporada pelo Vitória, que teve seu projeto de basquete encerrado. Vale ressaltar que Murilo foi o campeão do último desafio de habilidades do NBB. A tristeza ficou por conta da não renovação com seu ídolo, Arnaldinho, que se aposentou.

No curto torneio do Campeonato Carioca 2018, disputado por quatro equipes, chegou a final contra o Flamengo, perdendo por 2 x 0 no total dos dois jogos, parciais de 88 x 69 e 83 x 73, não havendo necessidade de um terceiro jogo. É uma equipe com ótimo chute nas bolas de três, sendo reforçado com a chegada de Coelho e Cauê.

 

Flamengo

Assim como no futebol, o Flamengo também é uma equipe de tradição no basquete. O primeiro título veio logo no primeiro campeonato organizado no Brasil, em 1919, o Campeonato da Cidade do Rio de Janeiro, porém, não reconhecido pela Federação de Basquetebol do Estado do Rio de Janeiro (FBERJ). O primeiro título oficial veio em 1932, com o estadual, este que já fora vencido pelos rubro-negros 44 vezes, sendo o de 2018 o mais recente, literalmente não tendo rival a altura há, pelo menos, 13 anos, sendo este o número seguido de conquistas do Carioca.

Em campeonatos nacionais, venceu o último Campeonato Brasileiro (2008) e também o primeiro NBB (2008-09). Depois voltou a ser campeão no Novo Basquete Brasil em 2012-13, repetindo o feito nas três temporadas seguintes, sendo tetracampeão. Dois anos de destaque do Flamengo foram as temporadas de 2009 e 2014. Na primeira, venceram a tríplice coroa ao ganhar o Carioca, NBB e Liga Sul-Americana (segunda competição mais importante do continente). Já em 2014 foi ainda melhor, levando a quádrupla coroa: Carioca, NBB, Liga das Américas (principal competição continental) e Campeonato Mundial Interclubes, batendo o Maccabi Electra, de Israel, na final.

 

No último NBB terminaram em 1º lugar na fase regulamentar, com 53 pontos, um a mais o Paulistano, futuro campeão. Chegaram até as semifinais do mata-mata, quando caíram para o Mogi das Cruzes por 3 x 1. Para esta temporada o Flamengo, que já tinha um time forte, optou por mudanças. A começar pelo comando técnico, mandando Zé Neto embora e contratando o treinador campeão do NBB 10, Gustavo de Conti. Além do comandante do Paulistano, trouxeram também Jhonatan Luz, Deryk Ramos e David Nesbitt. O armador David Rossetto chegou do Basquete Cearense, “repatriou” Rafa Mineiro do Franca e, a principal contratação foi o armador argentino Franco Balbi, cotado como uma das principais armas do time para vencer o NBB.

Com uma transição rápida, muitas vezes puxando contra-ataque com Balbi e Deryk Ramos, às vezes com Rossetto, é um time leve e que pode facilmente colocar o rival na roda, sendo este um dos principais pontos fortes do time, além das características individuais dos experientes Marquinhos, cestinha e MVP do último NBB, Olivinha e Anderson Varejão, com vasta bagagem em NBA.

 

Vasco da Gama

Gigante da Colina é um clube de tradição no basquete, já tendo vencido o Campeonato Nacional em 2000 e 2001, a Liga Sul-Americana de Basquete em 1999 e 2000 e o Campeonato Sul-Americano de Clubes nos anos de 1998 e 1999. Na Taça Brasil de 1965, na primeira competição nacional masculina de basquete, foram vice-campeõe ao perderem a melhor de três partidas para o campeão paulista Corinthians, feito repetido em 1966. Além de 16 Campeonatos Cariocas, venceu a Liga Ouro em 2016, equivalente a segunda divisão nacional.

A equipe está passando por um elenco bem conturbado nesta temporada. A crise pegou forte e o Vasco não tem dinheiro para manter o projeto, mas o presidente Alexandre Campello insiste. Do elenco da temporada passada, apenas Alexei permanece, os demais são de categoria de base ou recém-chegados. Para o banco, o experiente Alberto Bial veio comandar e colocar ordem na casa. Chegaram bons nomes como Duda Machado (Bauru), Lupa (Pinheiros), Armani (Basquete Cearense), Gemerson (Pinheiros), Vithinho (Mogi das Cruzes), além dos americanos Sam Muldrow (Niagara River Lions) e Nick Okorie (Vitória).

A tristeza dos torcedores ficou por conta da saída do americano Desmond Holloway. O ex-Pinheiros chegou nesta temporada como um dos principais reforços, mas, devido a crise financeira e incerteza do projeto, optou por sair e fechou com o Ferro Carril Oeste, da Argentina.

 

Na última temporada ficaram na 11ª colocação do NBB 10, com 40 pontos, mas caiu nas oitavas de final para o Bauru, por 3 x 1. Com um elenco novo, que não foi nem para as finais do Campeonato Carioca, é uma incerteza o time da Colina. Mesmo diante disso, o comandante da equipe, Bial, valorizou o período de treinamentos e ressaltou as características e tudo que espera desse time dentro de quadra no Novo Basquete Brasil:

“Uma equipe brava, valente, jogando um basquetebol buscando a modernidade, trazendo situações novas tanto no ataque quanto na defesa, que possam fazer com que o time possa competir em igualdade com os favoritos. Estou muito feliz de estar voltando e quero fazer do Vasco uma retomada, voltar aos bons tempo passo a passo. Sabemos que a jornada é longo, difícil, mas temos condições de fazer uma boa estreia”.

 

Foto em destaque: Paulo Arnaldo / Poliesportiva

 

 

Eric Filardi

Eric Filardi

46 posts | 0 comments

Comments are closed.